Dor de cabeça (Cefaleia)

A dor de cabeça, também chamada de cefaléia, é um dos problemas que mais acometem a população nos dias de hoje. Ao longo da vida,mais de 90% da população terá pelo menos uma queixa de dor de cabeça. Todo mês, 60% dos homens e 75% das mulheres têm pelo menos um episódio de dor de cabeça. No Brasil, 15% da população sofre de enxaqueca, 13% da cefaléia tensional e 7% da cefaléia crônica diária. Existem ainda mais de 150 tipos de dores de cabeça. Vamos falar sobre os principais tipos nesse artigo.

Dor de cabeça cefaléia

As dores de cabeça são divididas em primárias ou secundárias. As primárias não têm causa identificável (doença subjacente), enquanto as secundárias têm a dor de cabeça como um sintoma de uma outra condição principal, sendo importante identificar a causa da dor para poder tratá-la da forma adequada.

Sobre as dores de cabeça, é importante investigar principalmente: localização da dor, duração, frequência, irradiação, qualidade e caráter, sintomas associados, fatores predisponentes, agravantes e de alívio (incluindo os medicamentos), além de história pregressa, pessoal e familiar.

Tipos de Dor de Cabeça

Enxaqueca

A Enxaqueca, também chamada de Migrânea é a dor de cabeça que, de longe, mais acomete a população brasileira e mundial. Na realidade, ela é uma doença em que a dor de cabeça é um dos principais sintomas. Outros sintomas incluem fono e fotofobia (aversão a sons e luzes, no momento das crises).

EnxaquecaA enxaqueca caracteriza-se por ser paroxística (ou seja, dor em crises e não contínua), com ataques durando de 4 a 72 horas intercalados por períodos assintomáticos. É uma dor do tipo pulsátil e pode vir acompanhada por náuseas e/ou raramente vômitos. Essa dor é unilateral (afetar apenas um lado da cabeça), porém de forma alternante (ou seja, nas crises aparece ora de um lado da cabeça, ora de outro). Geralmente os pacientes com enxaqueca buscam um lugar tranquilo, sem sons e pouco iluminado no momento das crises.

Dores sempre unilaterais do mesmo lado ou que sejam diárias e contínuas provavelmente não são enxaquecas.

Essa dor de cabeça acomete principalmente mulheres e, geralmente, temos as primeiras crises antes dos 30 anos de idade. Ela é ainda hereditária, sendo comum encontrarmos outros familiares com o mesmo problema. Estima-se que uma criança cuja mãe ou pai sofra de enxaqueca tem 50% de chances de desenvolvê-la. Caso tenha os dois pais com o problema, as chances aumentam para 75%.

Alguns pacientes podem ter a chamada aura na enxaqueca, que se caracteriza por alterações visuais (pontinhos em zigue-zague nos olhos são o mais comum) e outros sintomas neurológicos focais, geralmente durando entre 5 a 20 minutos, 1 hora antes da crise de enxaqueca. É também comum encontrar pacientes que tenham os dois tipos de crises (com e sem aura).

Alimentos podem desencadear as crises em alguns doentes (como queijos, chocolate, frutas cítricas e vinho). No caso das mulheres, é comum crises acontecerem juntamente com o período menstrual. Mulheres com enxaqueca também costumam ter alívio do problema na gravidez.

Cefaléia Tensional

Cefaleia tensional

Regiões de dor na cefaléia tensional

É outro tipo de cefaléia comum, e que inclusive pode estar associada à enxaqueca num mesmo paciente. As mulheres também são as mais acometidas e a Cefaléia Tensional pode surgir em qualquer idade.

Normalmente, essa dor de cabeça é bilateral (acomete os dois lados da cabeça) e é do tipo pressão ou aperto, não pulsátil, leve a moderada e não piora com a atividade física rotineira. Diferentemente da enxaqueca, os pacientes tendem a continuar as tarefas diárias, mesmo com o incômodo da dor. Isso auxilia no diagnóstico diferencial entre a cefaléia tensional e a migrânea (enxaqueca).

A cefaléia tensional não traz náuseas ou vômitos, mas pode haver fono e fotofobia, tal como na enxaqueca.

Por mais que o nome dessa dor de cabeça seja “tensional”, os músculos do pescoço e pericranianos podem não estar contraídos ou doloridos, e também não necessariamente o paciente terá uma tensão emocional. Porém, muitas vezes problemas como depressão e ansiedade podem fazer parte da causa dessa dor de cabeça.

A dor pode ter episódios infrequentes (menos de um dia por mês), frequentes (menos de 180 dias por ano ou 15 dias por mês de dor) ou ainda ser crônica, com uma frequência maior. Geralmente as crises duram de 30 minutos a 7 dias.

Cefaléia em Salvas

Essa, diferente da Enxaqueca e Cefaléia Tensional, acomete principalmente homens. A dor é praticamente insuportável e os pacientes que sofrem com esse problema citam que é a maior dor já experimentada na vida, e vários citam que já pensaram em cometer suicídio para aliviar o sofrimento. Durante os ataques, alguns pacientes podem bater a cabeça na parede, socar a própria cabeça e ficam em constante agitação.

A dor da Cefaléia em Salvas é unilateral e fronto-orbitária (normalmente o paciente coloca a mão sobre um dos olhos). Os pacientes descrevem a dor como vindo por trás do olho, em forma de facadas ou pontadas. Podem surgir sintomas adicionas à cefaléia em Salvas do lado afetado, tais como lacrimejamento, obstrução nasal, secreções nasais, sudorese, miose, ptose palpebral (queda da pálpebra) e edema (inchaço) palpebral.

Cefaleia em salvas

Área da dor na cefaléia em salvas, com lacrimejamento e ptose palpebral

As crises podem durar de 15 a 180 minutos, um ataque a cada dois dias até 8 ataques por dia. Esses ataques acontecem em períodos que variam de semanas a poucos meses, seguido de períodos em que os sintomas desaparecem completamente, podendo ressurgir após meses ou anos. São raros os casos em que a dor é crônica (ou seja, não tem períodos assintomáticos, sendo as crises diárias).

A inalação de oxigênio puro por máscara pode ser útil no tratamento e na detecção da cefaléia em salvas.

Hemicrania Paroxística

É semelhante à cefaléia em Salvas, tendo a mesma intensidade de dor e também sendo unilateral. Porém, acomete principalmente as mulheres, e as crises costumam ser mais curtas (2 a 45 minutos), porém mais frequentes (mais de 5 ataques por dia, podendo chegar a dezenas).

No caso da Hemicrania Paroxística, a dor pode ser desencadeada por certos movimentos do pescoço ou por pressionar com os dedos certas regiões do pescoço.

Hemicrania Contínua

Essa também é mais comum nas mulheres, mas não é tão frequente quanto a enxaqueca e a cefaléia tensional.

Tem como características ser unilateral e contínua e diferente da enxaqueca, geralmente não muda de um lado para outro. A intensidade é moderada e, junto com a dor, não temos outros problemas (não há náuseas, vômitos, nem fono ou fotofobia).

Cefaléia Cervicogênica

Como o próprio nome já diz, essa dor de cabeça costuma começar pelo pescoço. Mais uma vez, é mais comum em mulheres. A dor permanece de um único lado (o mais comum) ou pode ser bilateral. Ela também varia de lado quando é unilateral, mas diferente da enxaqueca, um lado é sempre o mais acometido.

A dor é de moderada a intensa e pode ser pulsátil.

A Cefaléia Cervicogênica costuma começar com uma dor leve na nuca e que, à medida que vai subindo para a cabeça, fica mais intensa. No começo os ataques duram de horas a semanas, mas ao piorar podem se tornar diários (crônicos).

Nesse tipo de dor de cabeça, os ataques iniciam por pressão ou certos movimentos do pescoço, como olhar muito para trás ao estacionar um carro ou para cima ao pegar algo numa prateleira alta. Ela também pode ser desencadeada por movimentos bruscos do pescoço em um acidente de carro. Outra forma de causar ou piorar esse tipo de dor de cabeça é usar travesseiros de forma inapropriada por muito tempo.

Às vezes, a causa dessa cefaléia pode ser identificada por exames como uma Ressonância Magnética e ela pode ser tratada. Isso inclui lesões por acidentes ou hérnias de disco.

Neuralgia do Trigêmeo

A neuralgia do trigêmeo é uma dor na face, que acomete principalmente idosos. O nervo trigêmeo controla principalmente a mastigação e a sensibilidade facial. Nessa neuralgia, o paciente tem ataques breves como se fossem choques elétricos na face, onde estão os ramos desse nervo.

A dor é desencadeada por alguns estímulos, como se barbear, escovar os dentes ou apenas pelo toque. Também podem ocorrer ataques sem nenhum tipo de estímulo.

Neuralgia do Trigêmeo

Neuralgia do Trigêmeo

A Neuralgia do Trigêmeo pode também ter uma causa identificável, como problemas no sistema nervoso central, tais como esclerose múltipla ou infarto do tronco cerebral. Assim, é sempre importante pesquisar tais causas em pacientes com esses tipos de dores.

Cefaléia por abuso de analgésicos

Aqui vai um alerta a muitas pessoas: o uso indiscriminado de analgésicos para alívio da dor de cabeça pode levar ao desenvolvimento de uma cefaléia crônica. Assim, os pacientes tratam a dor de cabeça mas, a longo prazo, podem piorar.

O uso frequente de analgésicos podem levar a dois problemas: a perda da eficácia do medicamento, sendo necessárias doses sempre mais altas para aliviar as dores, ou ainda a diminuição do intervalo entre as crises, levando a cefaléia a se tornar crônica diária.

É importante cuidar com isso e sempre pedir conselho de um médico. Se você usa analgésicos com frequência para tratamento de dorzinhas de cabeça, fique atento!

Outros tipos de dores de cabeça

As cefaléias citadas acima são os principais tipos que encontramos na população. Vamos falar sobre outros rapidamente abaixo:

Cefaléia em pontada idiopática: pacientes têm dor em pontada, de duração curta (segundos), ocorrendo em vários pontos ou ambos os lados da cabeça. Surgem sozinhas ou com outras cefaléias como a enxaqueca.

Cefaléia pós-traumática: acontece após traumas cranianos, e são divididas em fase aguda (surge em até 14 dias e some em no máximo 8 semanas) e crônica. Nesses casos, sempre são importantes exames por imagem para identificar anormalidade que possam estar causando essa dor de cabeça.

Cefaléia da atividade sexual: alguns pacientes experimentam dores de cabeça no momento do orgasmo sexual. Imagina-se que a causa seja o aumento da pressão arterial. Por isso, é importante diferenciar essa dor de cabeça benigna de alterações mais sérias, como doenças vasculares intracranianas.

Cefaléia benigna do exercício: como o nome diz, é provocada pelo exercício e dura de 5 minutos a 24 horas, dos dois lados da cabeça. Nesses casos é importante fazer o teste ergométrico (teste de esforço) para pesquisar aumentos anormais de pressão.

“Cefaléia do sorvete”: essa dor de cabeça também é benigna, não precisa de tratamento e dura em torno de 5 minutos, após ingestão de alimentos muito gelados em algumas pessoas.

Arterite temporal

Arterite temporal

Arterite temporal (ou arterite de células gitantes: essa dor de cabeça pode ser muito grave se não tratada a tempo. É um alerta para idosos, pois acomete ambos os sexos acima dos 50 anos. A dor é na região da artéria temporal superficial (veja imagem abaixo), ficando essa região inchada e sensível. O paciente também pode ter um sinal muito característico desse problema, que é a dor na mandíbula (chamada de claudicação mandibular) ao fazer movimentos como mastigar chicletes ou comer. É importante sempre procurar um médico nessas situações, pois a arterite temporal pode levar à cegueira e atrofia óptica. O tratamento é simples, com base em corticosteróides e a dor some em até 48 horas.

 

Concluindo…

Esses são os principais tipos de cefaléias que podemos encontrar na população. É importante, tanto para o paciente como para o médico, entender que pouco se sabe sobre as cefaléias e seus mecanismos e pode haver mais de um tipo de cefaléia no mesmo paciente. Cada tipo tem um tratamento específico, e portanto é preciso atencão nesses casos.

Se você está sentindo dor de cabeça com frequência ou intensidade suficiente para te incomodar, não deixe de procurar um médico!

Referências

  1. Vincent, Maurice B; Novis, Sérgio Augusto. Enxaqueca e Outras Cefaléias. In: PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos. Semiologia Médica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2009. P. 1158-1162.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *