Diuréticos

DiuréticosOs diuréticos são medicamentos muito prescritos pelos médicos para o tratamento de diversas doenças. Um diurético atua por eliminar mais sódio do nosso corpo. Com isso, nossos rins aumentam também a quantidade de água que sai na nossa urina, para poder diluir esse sódio e eliminá-lo da forma ideal. Assim, várias doenças que acumulam líquidos em nosso corpo podem ser tratadas (em parte) com diuréticos, incluindo insuficiência cardíaca, insuficiência renal, hipertensão arterial e cirrose hepática.

Vou falar nesse artigo sobre as principais classes de diuréticos que podemos encontrar no mercado, seus efeitos adversos, nomes comerciais e aplicações clínicas.

Como atuam os diuréticos

Nosso rim é composto por cerca de um milhão de néfrons, que são as estruturas funcionais dos rins. Juntos, eles são responsáveis por filtrar impurezas do nosso sangue, eliminar excesso de água ou poupá-la, e controlar o balanço de eletrólitos de nosso corpo.

Néfron

Desenho esquemático de um néfron, unidade funcional dos rins

A primeira parte do néfron, chamada de glomérulo, filtra a cada minuto 120 mL de sangue. Imagine se eliminássemos tudo isso em nossa urina? Seriam 7,2 litros de urina por hora!

Por isso, a maior parte do que passa pelo glomérulo é reabsorvida nos túbulos do néfron. Grande parte do sódio que sai pelo glomérulo, por exemplo, é reabsorvida em várias partes dos túbulos. E, com esse sódio, grande parte da água que foi eliminada também volta para nosso corpo. Assim, nossos rins conseguem concentrar muito a urina, e eliminamos dessa forma em torno de 2 litros por dia apenas.

É exatamente aí que os medicamentos diuréticos atuam: eles diminuem essa reabsorção de sódio. Assim, mais sódio será eliminado na urina e, quanto mais sódio é eliminado, mais água vai junto com ele. Isso elimina o acúmulo de líquidos (inchaço, também chamado de edema) causado pelas doenças que citamos acima. Existem ainda os diuréticos osmóticos, que atuam de forma um pouco diferente, e falaremos deles adiante.

Tipos de diuréticos

Agora, vamos falar sobre cada classe de diurético em específico.

Diuréticos de alça – Furosemida

Furosemida LasixEsses são os diuréticos mais potentes que encontramos no mercado, porque são os que mais aumentam a eliminação de sódio, carregando mais água com eles. O principal exemplo desses diuréticos é a Furosemida (nome comercial Lasix®). Falando especificamente sobre a Furosemida:

Indicações: por ser um diurético que faz intensa eliminação de água, a Furosemida é usada principalmente em casos graves de acúmulo de líquido no corpo. É indicada principalmente para edemas (inchaços) de diversas causas que não melhoram com outros diuréticos mais leves, para edema agudo de pulmão e edema em insuficiência renal crônica. Outras indicações incluem síndrome nefrótica, cirrose hepática e nos casos de excesso de potássio (hipercalemia) em emergência.

Não são normalmente usados para tratamento da hipertensão arterial porque são muito potentes. Podem ser usados apenas na hipertensão arterial descompensada, como em um caso de emergência em que haja muita congestão (inchaço).

Contraindicações: não devem ser usados em casos de insuficiência renal em que o paciente não elimine mais nada de urina (anúria), estado pré-comatoso associado a cirrose hepática, ou em casos de “alergia” (hipersensibilidade) à furosemida ou à medicamentos da classe das Sulfonamidas.

Efeitos adversos: os principais são por conta da alta potência do medicamento. As manifestações mais comuns incluem hipotensão, taquicardia ou arritmia, sede, boca seca, náuseas e/ou vômitos, dor, cansaço muscular, cãibras, fraqueza, tonturas. A Furosemida pode ainda causar baixa de potássio e/ou magnésio do sangue, aumento de ácido úrico e gota. Pode haver ainda edema de rebote, caso ela seja suspensa subitamente.

Apresentações: pode ser usada como comprimidos de 40 mg, solução injetável (intravenosa) de 10 mg/mL ou solução oral, também de 10 mg/mL.

Diuréticos Tiazídicos – Hidroclorotiazida, Clortalidona, Indapamida

Hidroclorotiazida

Hidroclorotiazida

Os diuréticos tiazídicos são bem mais fracos do que os de alça, e são os preferidos para o tratamento da hipertensão arterial não complicada. Os principais medicamentos usados no Brasil são a Hidroclorotiazida (nome comercial Drenol®), a Clortalidona (nomes comerciais Hygroton® e Higroton®) e a Indapamida (nomes comerciais Natrilix®, Indapen®, Fludex e Vasodipin®).

Esses fármacos também são vasodilatadores, o que significa que auxiliam mais ainda na redução da hipertensão. Falando especificamente sobre a Hidroclorotiazida:

Indicações: em pacientes sem contraindicações, a Hidroclorotiazida é a primeira escolha para tratamento da hipertensão. Ela é ainda eficaz na redução da doença arterial coronariana, da doença cerebrovascular, do evento cardiovascular total e da mortalidade. Pode ser usado sozinha no tratamento da hipertensão ou em associação com outros anti-hipertensivos, como os IECA ou betabloqueadores. A Hidroclorotiazida também pode ser usada no tratamento da insuficiência cardíaca crônica controlada, do excesso de cálcio no sangue e do Diabetes Insípido.

Contraindicações: não deve ser usada em paciente hipertensos com insuficiência renal crônica grave, nem na insuficiência hepática grave. É contraindicada também em pacientes com hipersensibilidade à Hidroclorotiazida ou à medicamentos Sulfonamidas, nem no estado pré-comatoso.

Efeitos adversos: os mais comuns são desidratação, hipotensão, baixa de potássio e/ou magnésio do sangue, aumento do ácido úrico e gota e excesso de Cálcio no sangue. Outros efeitos adversos incluem náuseas e/ou vômitos, impotência, reação alérgica e fotossensibilidade.

Apresentações: ela é encontrada apenas em comprimidos, de 12,5 mg ou 25 mg.

Diuréticos Antagonistas da Aldosterona – Espironolactona

Esses diuréticos têm como principal exemplo usado aqui no Brasil a Espironolactona (nomes comerciais Aldactone®, Diacqua® e Spiroctan®). Eles agem por antagonizar a Aldosterona, um hormônio que segura o sódio em nosso sangue, aumentando a quantidade de água em nosso corpo.

Espironolactona

Espironolactona

Os diuréticos dessa classe tem baixíssima ação diurética em si. Porém, mesmo assim têm efeitos anti-hipertensivos e aumentam a sobrevida dos pacientes. Além disso, uma grande vantagem destes diuréticos é que, ao contrário da Hidroclorotiazida e da Furosemida, eles seguram potássio no corpo, sendo chamados de diuréticos poupadores de Potássio.

Assim, são muito úteis para serem usados juntamente com Hidroclorotiazida ou Furosemida para evitar a queda do potássio no sangue em quem precisa usar diurético. Porém, também podem ser perigosos para quem tem muito potássio no sangue.

Sobre a Espironolactona em específico:

Indicações: são úteis no tratamento de insuficiência cardíaca congestiva grave, edema (inchaço) por cirrose hepática, síndrome nefrótica, diagnóstico e tratamento do Hiperaldosteronismo Primário e em conjunto com Hidroclorotiazida e Furosemida, como citei logo acima, para prevenir queda do potássio.

Contraindicações: deve-se evitar o uso em pacientes com excesso de potássio, hiponatremia, insuficiência renal grave, hipersensibilidade à Espironolactona ou Doença de Addison.

Efeitos adversos: a Espironolactona pode causar excesso de potássio, hipotensão, ginecomastia em homens, impotência sexual e irregularidade menstrual. Outros efeitos incluem dor de cabeça, sonolência, náuseas e/ou vômitos. Esses são os mais comuns.

Apresentações: apenas em forma de comprimidos, de 25 mg e 100 mg.

Amilorida e Triantereno

São muito parecidos com a Espironolactona, pois são diuréticos fracos e são poupadores de Potássio, também usados em conjunto com Hidroclorotiazida ou Furosemida para evitar a perda desse eletrólito.

A diferença entre estes e a Espironolactona é que, por não agirem bloqueando a Aldosterona, podem ser usados em pacientes que tiveram efeitos adversos com a Espironolactona, tais como a ginecomastia, impotência e irregularidade menstrual.

O principal efeito adverso desses inclue apenas o excesso de potássio, então é contraindicado em pacientes com muito potássio no sangue, como os com insuficiência renal grave.

Diuréticos Osmóticos

Diuréticos Osmóticos

Solução de Manitol

Essa é a classe que age de forma totalmente diferente dos outros diuréticos. O Manitol é o principal exemplo, existindo apenas em solução injetável 20%. São substâncias inertes em nosso corpo (ou seja, não agem alterando nada) e são eliminadas pelos néfrons nos rins. O Manitol puxa água para perto de si e, quando é eliminado na urina, leva mais água juntamente.

Seu uso é muito útil em pacientes com Insuficiência Renal Aguda (que pode ocorrer por hemorragias, ferimentos ou infecções sistêmicas). O Manitol também é usado para tratamento de emergência em pacientes com hipertensão intracraniana ou pressão intraocular.

O principal efeito adverso do Manitol é causar aumento do fluido extracelular, o que pode gerar falência ventricular esquerda. Também pode causar desidratação e hipotensão, assim como dor de cabeça, náuseas e vômitos.

Concluindo, esses são os principais medicamentos diuréticos usados na prática clínica hoje em dia. Muito provavelmente, se você precisa ou já precisou usar alguns destes, teve suas dúvidas quando o(a) médico(a) lhe prescreveu. Se tiver dúvidas, não deixe de nos enviar!

4 Comentários

  1. Maria Cordelia de O. Alexandre

    Obrigado,por suas informaçoes,.E justamente o furosemida que meu genro toma.Mais continua inchado ,cansado e com tosse.Isso aconteceu depois do quarto infarto Ai me preocupa

  2. Lidia

    Queria saber se tem algum problema, eu estava tomando por 7anos ablok plus passei mal da pressao subiu muito entao o dtr.mudou clortalidona p hidroclorotiazida qual a diferença?

    • Avatar de Alan Niemies
      Alan Niemies
      Autor do Artigo

      Olá Lidia, como vai? Olha, não tem problema nenhum seu médico ter mudado sua medicação após o problema de pressão. Você toma mais algum medicamento juntamente com a Hidroclorotiazida, hoje? O Ablok nada mais é do que a junção de dois medicamentos, o Atenolol (betabloqueador) e a Clortalidona (um diurético tiazídico). A Hidroclorotiazida também é um diurético tiazídico e pode auxiliar na manutenção de uma pressão normal no seu caso. :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>